Cozinha alemã autêntica

servus4Voltando à gastronomia, pois este é um Site também de comida, retornei às mesas do restaurante Servus. É sempre uma satisfação ir a uma casa e ter certeza de encontrar aquela mesma refeição deliciosa. O restaurante Servus é um destes lugares. Não há na Capital melhor representante das culinárias alemã e austríaca. A casa funciona com um buffet livre ao comensal, com mais de vinte itens da cozinha germânica. Serve 4/5 tipos de salsichões, maioneses e suflês variados, e pratos típicos caprichosamente preparados pela Chef Birgit e sua mãe, como: joelho de porco “catado” (Eisbien), repolho roxo com maçã e suflê de chuchu [foto-1]; bisteca defumada (Kassler); tradicional Gulasch com Spaetzle (nhoque alemão) e chucrute totalmente artesanal [foto-2]; além do frango com pimentão, peixes e vários embutidos.

servus1servus2servus5

Tudo acompanhado de ótimas cervejas e boa carta de vinhos, especialmente alemães. Para o fim [deste banquete] o Apfelstrudel de maçã é o melhor que já provei na vida. Para não ficar no falatório, deixo que contem comigo na foto as mais de 17 camadas finíssimas da torta. É um exagero na arte de pâtisserie, não?! Aproveitem o fim de semana e passe lá para conferir. Abre só pro almoço, nos sábados e domingos (12 às 16:30 h.). End.: Servus – Rod.DF 140, Km 6,2 – caminho Cachoeira Tororó. Fones: 3339-6147 ou 9965-4601.

Almoço no L´affaire

Outro dia, fui almoçar no restaurante L’affaire com uns amigos, e tratei de levar um vinho branco do Alto Adige na Itália. O vinho era o Löwengang Chardonnay, safra 2000. Produzido por Alois Lagerder, cuja família produz  desde 1855. A fabricação do vinho tem grande preocupação com o meio ambiente, e as uvas para esse vinho vem de vinhedos com altitudes entre 244 e 457 metros. Isso cria grandes diferenças de temperatura entre o dia e a noite, ajudando preservar os aromas e a acidez. O solo é fundamentalmente arenoso e pedregoso, mas também é rico em calcário.

lowengang 2 crepe passion lowengang 1

O vinho apresentou uma cor amarelo-esverdeada, límpida e com aromas de baunilha, manteiga e massa de pão. Na boca tinha um limão discreto, e uma acidez mediana. Com certeza, era um vinho que não iria evoluir mais. Foi tomado no momento certo, e quando isso ocorre, nossa satisfação de ter acertado esse instante é enorme.
No final do almoço, fui surpreendido por uma maravilhosa sobremesa, feita pelo chef da casa Marcello Piucco. Um Crepe Passion, recheado com creme de confeiteiro, sobre um molho de maracujá com semente. Só faltou um Sauternes ou mesmo um Asti, fica para próxima.

Sassicaia, uma jóia da Itália!

sassicaia Outro dia tomei esse sonho de consumo italiano. O Sassicaia é um vinho inovador da Itália. Durante vinte anos, o Marquês Mario Incisa della Rocheta, proprietário da Tenuta San Guido, produziu o vinho sem comercializá-lo, em busca da perfeição.
Originalmente o vinho era consumido por amigos e pela família, e às vezes vendido a particulares. Foi quando em 1970 o filho do Marquês, Nicolò, conseguiu persuadir o pai a comercializá-lo com assessoria profissional dos primos Antinori. Deu no que deu. O Sassicaia é um mito. A Tenuta San Guido, hoje é propriedade do neto do Marquês, Piero Incisa della Rocha que acumula a função de gerente de exportação. O vinho foi o primeiro italiano envelhecido em barricas, foi também o primeiro vinho italiano a receber máximo louvor no periódico do Robert Parker (safra 1985) e foi o primeiro grande cabernet sauvignon do país, já que ele é composto em sua maioria dessa casta, e complementado por cabernet franc.

O que tomei foi da safra 1996, treze anos de vida, que para um vinho desse porte, não causa muita avaria. O vinho tinha uma cor bem escura para a idade, com aromas de terra molhada, grafite e couro. Na boca, aquela acidez característica de vinho italiano, suculento, pedindo comida, com uma textura bem perceptível, de médio a encorpado. Um vinho para marcar. E você, qual vinho te marcou?

René Engel Grands Échezeaux!

O Domaine René Engel, infelizmente deixou de existir, pelo menos com esse nome. Ele foi criado por René Engel (1896-1991) e pertencia a ele, 1,4 hectare da melhor área de Clos Vougeout (tanto que esse era considerado seu melhor vinho), 0,5 hectare de Grands Échezeaux, 0,5 de Échezeaux (os 3 são Grand Cru), Vosne-Romanée Les Brulées (Premier Cru) e aldeia Vosne-Romanée.

grandechezeaux 4 grandechezeaux 1

Desde 1981 o Philippe Engel, neto de René, era o responsável pelo domaine, e no início dos anos 90 havia estabelecido sua reputação de fazer vinhos excepcionalmente deliciosos. Ele tinha uma mão leve na extração, preferindo destacar as qualidades naturais da fruta. Philippe recebeu o cobiçado prêmio “jovem vinicultor do ano”, devido ao seu Clos Vougeot 1992.

grandechezeaux 2

Devido a uma desilusão amorosa, Philippe começou a beber compulsivamente, vindo a falecer em 2005. No ano seguinte, ninguém menos que Aubert de Vilaine (leia-se Domaine de la Romanée-Conti) tentou de todas as formas comprar os 03 Grand Cru Engel: “Pensávamos que tínhamos comprado, mas no último minuto o vendedor escolheu outro comprador”. Vilaine lamenta até hoje: “Teria sido fantástico! Infelizmente, perdemos uma oportunidade única, que nunca vi na vida”. Disse ele quando esteve no Brasil em 2007. “Não foi uma questão de preço, o vendedor preferiu um investidor a um produtor”. O comprador foi François Pinault, proprietário do Château Latour. A venda se deu por 13 milhões de euros, e foi rebatizado de Domaine d´Eugénie. Por pouco os vinhos Engel não viraram DRC.

grandechezeaux 3

O vinho que tive a oportunidade de tomar foi o Grands Échezeaux 1991. Um vinho delicado, com uma cor clara e evoluída. No nariz, complexo, com aromas de iodo, chá, defumado, frutas secas e um perfume de flor. Na boca, um corpo leve com textura fina.Tanicidade presente mas discreta. Um vinho fino, que agrada em cheio apreciadores de borgonhas envelhecidos, mas quem não estiver familiarizado a esse estilo poderá se decepcionar.

Mais uma Dica da Semana!

HOJE TRAZEMOS MAIS UMA SUGESTÃO DE VINHOS.

Motivos para ficar ligado na coluna “Dica da Semana”:

Um vinho novo a cada 5a.feira!
Ter sempre à mão uma nova aquisição p/ adega!
Chamar a(o) namorada(o) para provar juntinho!
Agradar a(o) esposa(o) com um jantar romântico!
Mostrar aos amigos que você está ligado nas novidades!
Diversificar seu conhecimento com novo leque de opções!
Ir às lojas ou restaurantes sabendo o que irá pedir!
Ter sempre uma opção p/ suas festas e comemorações!

Então:
NUNCA PERCA A DICA DA SEMANA!

Cheverny Le Vieux Clos Salvard 2006 (branco)

cheverny06gd1Delicioso branco do Loire (França). Ótimo para esta época de preparação p/ o calor de fim de ano. Para ser bebido com peixes, frutos do mar ou camarão, e até uma boa massa caseira. Amarelo-esverdeado, quase transparente. Aromas de mel e toques da fruta, lembrando bastante a uva riesling (talvez pela mistura Sauvignon-Blanc e Chardonnay). Gostosa acidez, leve corpo com enorme frescor. Persistência prolongada. Alegre e envolvente. Vinho para se ter sempre na adega. Consta no nosso ranking de Avaliações-DCV. Preço: 82,00.

A Ansiedade venceu o medo!

merlotterroirMERLOT TERROIR 2008

Quatro meses atrás adquiri o novo lançamento da Miolo, o Merlot Terroir 2008. Confesso que desejei abrí-lo na mesma hora que chegou em minha residência. Esta ansiedade existia porque acompanho este vinho desde seu nascimento. Provei a safra 2004 e também a 2005, as únicas feitas para este vinho. Colocava algumas apostas para este vinho brasileiro por dois motivos: a escolha da casta merlot e todo processo que envolve sua produção, desde o critério na opção das safras (sinal de quem conhece o clima e ambiente das uvas: “se o ano não for bom, não vinifico!”), das parcelas do vinhedo, e até a consultoria por enólogo externo, no caso, o talentoso Michel Rolland.

A ansiedade venceu o medo, sim, pois depois das provas anteriores (2004 e 2005), que para mim faltavam experimentação e avanços na vinificação, eis que surge um vinho repleto de personalidade [Uaw!!]. Esta safra 2008 está “supimpa”, à altura dos estrangeiros! Cor rubi intenso com violáceos. Aromas de frutas negras, cacau, herbáceos e tênue mentolado e ainda toques florais. Apesar dos 12 meses no carvalho francês e mais 12 meses na garrafa, a madeira apenas dá elegância ao corpo. Um banho de terroir na boca, com leve apimentado e acidez controlada, deixando aparecer toda expressão da uva merlot. Sabores complexos denotam harmonia e profundidade. Nota: 86 pts.

A assertividade aparece em todas etapas de produção deste vinho. Melhor beber em mais 1/2 anos, pois está a indicar boa evolução, além de mais maduro. Com refeição deve se mostrar bastante poderoso – vou abrir a segunda garrafa para esta sacrificante prova [risos]. Definitivamente o melhor tinto nacional que provei! Quer um vinho com terroir de Brasil? Tente esta ampola e surpreenda-se com a personificação.

Domus Aurea 1998

domus aurea 98.1O ano de 98 foi marcado pelo El Niño, que trouxe grandes alterações climáticas, que influenciaram bastante na produção de vinhos. A Casa Lapostolle, por exemplo, não fez o Clos Apalta, já que o fenômeno prejudicou muito a safra no vale do Colchagua. Já no vale do Maipo, a Quebrada de Macul, fez o Domus Aurea com uma rigorosa vinificação, resultando em um vinho mais elegante que o de costume.

O vinho foi feito pelo antigo enólogo chileno Ignacio Recabarren (desde 2001 o enólogo é o francês Jean Pascal-Lacaze) e tomado agora, 11 anos após a colheita, se mostrou muito equilibrado, com aromas de couro, um leve mentolado e um discreto domus aurea 98.2herbáceo. Na boca o vinho está com os taninos bem arredondados, sem nenhuma agressividade. Apesar de estampar apenas cabernet sauvignon no rótulo, tem 4% de cabernet franc nessa safra. As garrafas são numeradas, essa foi a de número 1.319, de um total de 24.000. É um vinho prazeroso, mas que na minha opinião, assim como as outras grandes marcas chilenas e argentinas, não vale o preço cobrado por eles aqui no Brasil.

GO-LIVE do Decantando a Vida

 

Amigos leitores, enófilos, amantes e interessados em vinho,

 

Estamos dando início a esta viagem, que é inaugurar um Site que fale dessa nossa paixão, convidando você internauta a embarcar conosco neste voo interminável no mundo do vinho. Bebendo, estudando, debatendo ou presenteando, estamos sempre ligados ao tema. E sendo assim, contamos com sua participação para que possamos desfrutar juntos esse prazer de abordar o vinho. Sejam bem-vindos!

 

Este projeto é resultado de um sonho, que passa a partir de agora à realidade.
Um projeto não só de duas pessoas mas feito a doze mãos.
A equipe que trabalhou no projeto do Decantando a Vida.com foi inicialmente formada por: os dois Editores-associados que vos falam (Antonio e Eugênio), um desenvolvedor do Site (Leonardo Prunk), um designer da Logomarca e animações (Rafael Abadio), e mais um produtor do banco de dados (Arthur Nóbrega – UnB), além da criadora (Márcia Coêlho) que batizou o nome do Site.
 
Desta forma, damos por iniciado o acesso ao novo Site.
Visite-nos à vontade, pois teremos muitas novidades, artigos diários no estilo BLOG, dicas, informações, histórias sérias e nem tanto, avaliações das mais variadas ampolas, e outras coisas do mundo de Baco.

GO-LIVE ao Decantando a Vida.com